Por que água limpa e saneamento básico são essenciais?

Tomaz Filho

Água, saneamento e higiene são questões que afetam a saúde e o bem-estar de todas as pessoas no mundo. Milhões não têm acesso regular a água potável, enquanto bilhões não têm saneamento adequado.

Saneamento irregular geralmente significa defecação a céu aberto. Sem um sistema apropriado de gerenciamento de dejetos, as fezes se infiltram e contaminam os sistemas de água.

O simples fato de estar em uma zona como essa causa doenças, se, por exemplo, a pessoa estiver descalça e houver parasitas.

O saneamento ambiental está diretamente ligado a sustentabilidade, alternativas ecologicamente corretas de gerir e reaproveitar os recursos naturais usados na rede de água e esgoto.

A ideia é minimizar os impactos de insumos poluentes e reduzir os efeitos danosos à natureza. Além disso, conscientiza a sociedade sobre o papel de cada um na preservação e conservação dos recursos naturais.

A crise de recursos naturais

O mundo vive a maior crise de abastecimento de água potável e também falta de saneamento básico nos países em desenvolvimento e nas grandes nações. As plenárias e reuniões mundo afora para tratar sobre o tema são muitas, mas pouco se vê na prática o que os governos estão fazendo.

Principalmente no sentido de mobilizar ações para avançar em pesquisa e soluções para evitar a degradação das nascentes, despoluição dos rios, combate ao descarte ilegal de materiais poluentes, educação social e programas sustentáveis de implantação de saneamento com reaproveitamento da água para outras culturas.

O papel da OMS

Na concepção a disposição da água e resíduos da OMS (Organização Mundial da Saúde) fazia parte do que foi chamado Saneamento Ambiental, um termo que ocasionalmente ressurgia na água e documentos de política de saneamento.

A constituição da OMS descreve uma de suas funções: a melhoria de saneamento básico e outros aspectos da higiene ambiental. Essa é a base sobre a qual organização pode realizar suas atividades no campo da água, saneamento e saúde.

Saneamento como prioridade

Durante a primeira década da OMS, a água e o saneamento fizeram parte do meio ambiente. Saneamento juntamente com alimentos, moradia etc. Saneamento ambiental foi definido como: o controle de todos os fatores no ambiente físico do homem que exercem ou podem exercer um efeito danoso no seu bem-estar físico, mental ou social.

Métodos para a segurança e descarte adequado de excrementos e esgotos e abastecimento de água limpo e amplo estavam entre as prioridades. A lógica por trás do saneamento ambiental e de todos os programas sanitários subsequentes foi imitar o ônus da água associado a problemas de saúde.

As duas principais categorias de doenças relacionadas à água são diarreia e doenças transmitidas por vetores. A falta de saúde relacionada à água tem sido por muito tempo a principal causa de morbidade e mortalidade, especialmente nos países em desenvolvimento.

Saneamento, saúde, doenças e cuidados

As doenças diarreicas são causadas por contato direto de qualquer forma com a água, considerando que as doenças transmitidas por vetores são transportadas para os seres humanos e insetos. Ambos os tipos de doenças têm, portanto, uma associação diferente.

Podem podem ser evitadas por meio do fornecimento de água potável e o descarte seguro e correto de resíduos humanos, especialmente fezes e comportamento salubre.

Do ponto de vista da água, as doenças transmitidas por vetores são combatidas com o manejo adequado dos recursos hídricos para evitar vetores no habitat.

Em todo a existência da OMS várias abordagens têm sido usadas para combater os tipos de doenças e tem ajudado bastante na difusão dos principais temas que estão relacionados com essa área

O papel dos governantes

Os governos, por sua vez, possuem políticas públicas de saneamento e tratamento de água e esgotos, mas quando verificamos na prática essas ações se tornam pequenas diante do imenso problema mais comum em todos os países do mundo.

O Brasil, por exemplo, investe pouco e possui somente 38% de esgoto tratado como mostra essa matéria da coluna em discussão do senado federal. É necessário investir mais em políticas públicas de saneamento básico e ambiental.

Para receber outros artigos em seu feed de notícias, curta a nossa página no Facebook.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Next Post

Os aspectos financeiros da coleta seletiva

CompartilharTwittarCompartilharPinNa Europa, a estrutura de gerenciamento de resíduos em vários países é muito diferente, mas é interessante notar um perfil comum relacionado a áreas climáticas homogêneas e racionalmente semelhante em hábitos culturais. Por exemplo, o uso de aterros é predominante, especialmente nos países do sul da Europa. Na Grécia e […]