Como ressignificar a sua estratégia de marketing pós-pandemia?

Tomaz Filho

Até as marcas mais digitais ficaram surpresas com a velocidade das mudanças anunciada pela pandemia do novo coronavírus. Com os consumidores liderando o caminho, todas estão lutando para ressignificar a estratégia de marketing e se adaptar ao novo normal. 

Diante desse cenário, que papel o marketing e a criatividade podem desempenhar para impulsionar a recuperação da sua empresa?

As equipes de marketing — muitas trabalhando remotamente de casa — se deparam com uma situação inteiramente nova:

  • como falar com nossos clientes?
  • onde devemos gastar dinheiro em marketing e onde não devemos?
  • como trabalhar com equipes e colegas em toda a empresa?
  • como continuar no negócio?
  • e tudo isso além de “como podemos apoiar nossa família, amigos, comunidades e planeta?”

Há muita incerteza sobre o futuro. Dito isso, é provável que estejamos no meio de um evento que definirá a geração e que influenciará o comportamento dos consumidores nos próximos anos. 

Isso significa que o marketing tem um papel crítico a desempenhar enquanto as empresas moldam sua resposta. Ele precisa ser rápido e pragmático para administrar a crise, além de ser estratégico sobre como resistir a isso.

O que fazer para adaptar a estratégia de marketing aos novos tempos?

O marketing como conhecemos mudou. Com o varejo fechado, os esportes paralisados ​​e muitos eventos cancelados, os canais em que as empresas tradicionalmente dependiam ficaram fora de serviço. Claramente, os locais de compras estão abrindo aos poucos. Anda assim é preciso se ajustar a um ambiente muito diferente no curto prazo.

Isso exige a criação de equipes de resposta a crises dedicadas, com foco nas atividades mais importantes relacionadas à receita. Operando de forma ágil e remota, elas precisam se concentrar nas prioridades do negócio de curto prazo (por exemplo: fluxo de caixa, metas de receita, etc). 

Dado o alto grau de incerteza no futuro previsível, o sucesso dessas equipes depende da eficácia com que podem testar, aprender e se adaptar.

O manual da empresa tem de variar dependendo da situação da demanda e do setor. As categorias de consumidores com produtos de alta demanda, como materiais de limpeza ou alimentos estáveis ​​na prateleira precisam agir de maneira diferente das categorias de itens caros, onde a demanda diminuiu e continua diminuindo por enquanto. 

Abaixo, confira algumas ações necessárias a tomar.

Tenha empatia e entenda os clientes

É importante controlar imediatamente as motivações e o comportamento do cliente. Embora muitas empresas acreditem que têm um senso bem desenvolvido de seus clientes, as circunstâncias agora são tão radicalmente diferentes que o seu marketing deveria questionar tudo o que antes acreditava ser verdade.

Construa reservas de caixa

Embora todas as implicações da crise ainda não estejam claras, é preciso agir de forma decisiva para gerenciar custos e aumentar a produtividade. Faça uma reavaliação imediata do desempenho da mídia para identificar ineficiências e otimizar programas por canal, melhorar a eficiência em como o trabalho é feito. Assim como eliminar a sobreposição de agências e obter uma imagem clara de para onde o dinheiro está realmente indo.

Impulsione a resposta da receita

O consumidor está gastando menos, o que torna fundamental estreitar o foco para uma série de casos de uso e segmentos com os melhores perfis de geração de demanda. Com clareza nos objetivos, é possível se comprometer com uma série de ações urgentes, incluindo ajustar o mix para onde o cliente está agora.

Reorganize sua marca para se conectar e ser relevante para o consumidor

Os consumidores provavelmente se lembrarão de marcas cujo comportamento é particularmente sensível a crise. Aproveite o seu diferencial para a situação atual. Mantenha a presença firme nas redes sociais.

Nesses tempos, as empresas de sucesso são aquelas que ajustam suas operações para entregar campanhas na mensagem em questão de dias, se não horas.

Além disso, como grande parte da situação atual não tem precedentes, o teste rápido precisa ser a norma para que as organizações possam aprender rapidamente o que funciona e se ajustar quase em tempo real.

Crie um plano para a recuperação

Em uma crise, é natural focar apenas nos resultados de negócios de curto prazo e adotar uma estratégia de sobrevivência pura. Mas isso pode significar vencer a batalha, mas perder a guerra. 

Não sabemos como será a recuperação ou quando chegará, mas essa crise chegará ao fundo do poço e a demanda do consumidor começará a crescer novamente. 

As empresas que prosperaram após as recessões anteriores foram aquelas que continuaram se comunicando com os consumidores durante a recessão, assumiram uma postura mais ativa, focaram nas intervenções durante o ciclo e agiram com urgência. 

Portanto, é preciso redesenhar modelos, abordagens e ferramentas de marketing atuais para se preparar para a reviravolta.

Comece a ser criativo agora

É possível que negócios e modelos de negócios inteiramente novos surjam da crise. Fluxos de receita com base virtual, como serviços baseados em aplicativos, podem ser mais promissores, e novos ecossistemas e mercados provavelmente aparecerão.

Como a incerteza provavelmente será a norma no futuro previsível, é essencial desenvolver uma abordagem de portfólio para lançar iniciativas, rastrear e realocar recursos com base no desempenho de cada uma. Atue como um catalisador para a ação, trazendo seus insights e ideias para a equipe iniciar um debate.

Gostou de saber como ressignificar a sua estratégia de marketing? Para receber outros artigos úteis para o seu negócio, curta a nossa página no Facebook e siga-nos no LinkedIn!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Next Post

Por que os painéis solares flutuantes estão em alta?

CompartilharTwittarCompartilharPinOs painéis solares fotovoltaicos flutuantes geram grandes quantidades de eletricidade sem ocupar um espaço valioso, segundo especialistas. Essa tecnologia se espalhou na Ásia, mas não tanto nos Estados Unidos. O Japão tem mais de 60 instalações, a maior quantidade de qualquer país do mundo. A China afirma ser a maior […]